Escova de dente mal lavada pode causar infecções graves

Para ficar longe das bactérias que fazem mal à boca, é preciso ir além de uma boa escovação. Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias. Isso pode acontecer quando, após seu uso, as cerdas não são lavadas corretamente para eliminar todos os germes e bactérias que foram retiradas da boca durante a escovação. Se, além disso, ela ainda for largada úmida e armazenada em um ambiente fechado e abafado, a escova se tornará um meio muito convidativo para que esses microorganismos se proliferem.

Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias Foto: Giovanni Cancemi / Shutterstock
Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias

Foto: Giovanni Cancemi / Shutterstock

“Quando a pessoa for usar a escova novamente todos esses germes irão direto para a sua boca podendo causar problemas na cavidade bucal como cárie, alterações gengivais e lesões na mucosa bucal e até problemas sistêmicos, como infecções sérias e diarréias, uma vez que essas bactérias serão engolidas e enviadas para várias partes do corpo, em que vão se alojar e prejudicar seu funcionamento”, diz Henrique Luarte Dias, dentista especializado em Prevenção em Odontologia.

Henrique indica o uso de agentes antimicrobianos (enxaguantes bucais) em forma de spray e outros truques para melhorar os resultados contra a proliferação de bactérias. “Espirrar esses produtos uma vez por dia, de preferência depois da escovação noturna, ajuda a manter as cerdas livres das bactérias. Também recomendo lavá-las em água corrente todas às vezes para que as bactérias mortas escorram pelo ralo e nunca secá-las em toalhas. O ideal é bater o cabo da escova na borda da pia para que ela fique bem sequinha”, diz o especialista.

Hora certa de trocá-las
O tempo indicado pelos dentistas para que a troca de escova de dentes seja feita é a cada três meses. Porém, é importante ficar atento à qualidade das cerdas. “O ideal é que a escova seja trocada assim que a ponta da cerda começar a curvar, momento em que não conseguirá penetrar nas regiões mais profundas, o que faz a qualidade de escovação diminuir”, diz Ricardo.

Vale lembrar que também é importante trocar a escova depois de resfriados, gripes, dor de garganta ou infecções na boca, pois as bactérias, fungos ou germes que causaram a doença podem ter ficado impregnados nas cerdas e poderão causar uma nova contaminação do paciente.

Via Saúde Terra

Mordida cruzada pode causar bruxismo e perda dos dentes

A mordida cruzada é um problema bastante comum que acontece quando a arcada de cima não se encaixa direito com a de baixo. Alessandro Silva, cirurgião buco-maxilo-facial, compara a maxila (parte de cima) e a mandíbula (parte de baixo) com a tampa e a caixa, ou seja, o arco superior deve ser maior do que o inferior. “Quando há uma mordida cruzada, há uma inversão nessa relação e os dentes do arco inferior acabam se posicionando mais para fora do que os do arco superior”, diz.

Ainda segundo o especialista, esse quadro pode ser causado por problemas dentários ou esqueléticos. “Quando a mordida cruzada se dá por causa de dentes que cresceram tortos e estão se posicionando fora da arcada, classificamos como um problema dentário. Quando a causa está no osso maxilar que se desenvolveu pouco e acabou ficando menor do que deveria, chamamos de problema esquelético”, diz Alessandro.

Embora normalmente tenha origem genética, a mordida cruzada pode ser agravada por hábitos inadequados, como chupar o dedo ou fazer o uso prolongado da chupeta e da mamadeira. Esse tipo de mordida pode prejudicar o desenvolvimento facial, a fonação, a mastigação e a respiração da criança. Por isso, o ideal é que ele seja diagnosticado e tratado antes dos 15 anos para evitar agravamentos do quadro na fase adulta, principalmente no caso dos problemas esqueléticos.

“Na fase infantil, o osso ainda está em desenvolvimento e aparelhos ortopédicos vão funcionar estimulando o crescimento da maxila para que ela assuma uma relação adequada entre os arcos”, diz o especialista. No caso dos problemas dentários, o tratamento ideal é o ortodôntico. E, apesar de ele poder ser aplicado em qualquer idade, os especialistas também recomendam que esse procedimento seja feito bem cedo para aproveitar a fase de desenvolvimento facial e do crânio. “Mas se a magnitude da discrepância entre os arcos for muito grande, só será possível o tratamento cirúrgico”, diz Alessandro.

Bruxismo e perda dos dentes
Se a mordida cruzada não é tratada na fase infantil, os problemas que um adulto poderá desenvolver são ainda mais sérios. “Caso perdure essa relação inversa, o paciente pode apresentar bruxismo, fratura ou até perda dos dentes, retração gengival e sobrecarga da articulação da boca podem causar sua deterioração” diz Alessandro.   Por isso que, assim que o problema for detectado, o tratamento deve ser iniciado com um profissional capacitado para resolver o problema, o ortodontista.

Via Terra