Escova de dente mal lavada pode causar infecções graves

Para ficar longe das bactérias que fazem mal à boca, é preciso ir além de uma boa escovação. Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias. Isso pode acontecer quando, após seu uso, as cerdas não são lavadas corretamente para eliminar todos os germes e bactérias que foram retiradas da boca durante a escovação. Se, além disso, ela ainda for largada úmida e armazenada em um ambiente fechado e abafado, a escova se tornará um meio muito convidativo para que esses microorganismos se proliferem.

Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias Foto: Giovanni Cancemi / Shutterstock
Cuidar da escova de dente da forma adequada pode evitar problemas como infecções e diarréias

Foto: Giovanni Cancemi / Shutterstock

“Quando a pessoa for usar a escova novamente todos esses germes irão direto para a sua boca podendo causar problemas na cavidade bucal como cárie, alterações gengivais e lesões na mucosa bucal e até problemas sistêmicos, como infecções sérias e diarréias, uma vez que essas bactérias serão engolidas e enviadas para várias partes do corpo, em que vão se alojar e prejudicar seu funcionamento”, diz Henrique Luarte Dias, dentista especializado em Prevenção em Odontologia.

Henrique indica o uso de agentes antimicrobianos (enxaguantes bucais) em forma de spray e outros truques para melhorar os resultados contra a proliferação de bactérias. “Espirrar esses produtos uma vez por dia, de preferência depois da escovação noturna, ajuda a manter as cerdas livres das bactérias. Também recomendo lavá-las em água corrente todas às vezes para que as bactérias mortas escorram pelo ralo e nunca secá-las em toalhas. O ideal é bater o cabo da escova na borda da pia para que ela fique bem sequinha”, diz o especialista.

Hora certa de trocá-las
O tempo indicado pelos dentistas para que a troca de escova de dentes seja feita é a cada três meses. Porém, é importante ficar atento à qualidade das cerdas. “O ideal é que a escova seja trocada assim que a ponta da cerda começar a curvar, momento em que não conseguirá penetrar nas regiões mais profundas, o que faz a qualidade de escovação diminuir”, diz Ricardo.

Vale lembrar que também é importante trocar a escova depois de resfriados, gripes, dor de garganta ou infecções na boca, pois as bactérias, fungos ou germes que causaram a doença podem ter ficado impregnados nas cerdas e poderão causar uma nova contaminação do paciente.

Via Saúde Terra

Anúncios

Mordida cruzada pode causar bruxismo e perda dos dentes

A mordida cruzada é um problema bastante comum que acontece quando a arcada de cima não se encaixa direito com a de baixo. Alessandro Silva, cirurgião buco-maxilo-facial, compara a maxila (parte de cima) e a mandíbula (parte de baixo) com a tampa e a caixa, ou seja, o arco superior deve ser maior do que o inferior. “Quando há uma mordida cruzada, há uma inversão nessa relação e os dentes do arco inferior acabam se posicionando mais para fora do que os do arco superior”, diz.

Ainda segundo o especialista, esse quadro pode ser causado por problemas dentários ou esqueléticos. “Quando a mordida cruzada se dá por causa de dentes que cresceram tortos e estão se posicionando fora da arcada, classificamos como um problema dentário. Quando a causa está no osso maxilar que se desenvolveu pouco e acabou ficando menor do que deveria, chamamos de problema esquelético”, diz Alessandro.

Embora normalmente tenha origem genética, a mordida cruzada pode ser agravada por hábitos inadequados, como chupar o dedo ou fazer o uso prolongado da chupeta e da mamadeira. Esse tipo de mordida pode prejudicar o desenvolvimento facial, a fonação, a mastigação e a respiração da criança. Por isso, o ideal é que ele seja diagnosticado e tratado antes dos 15 anos para evitar agravamentos do quadro na fase adulta, principalmente no caso dos problemas esqueléticos.

“Na fase infantil, o osso ainda está em desenvolvimento e aparelhos ortopédicos vão funcionar estimulando o crescimento da maxila para que ela assuma uma relação adequada entre os arcos”, diz o especialista. No caso dos problemas dentários, o tratamento ideal é o ortodôntico. E, apesar de ele poder ser aplicado em qualquer idade, os especialistas também recomendam que esse procedimento seja feito bem cedo para aproveitar a fase de desenvolvimento facial e do crânio. “Mas se a magnitude da discrepância entre os arcos for muito grande, só será possível o tratamento cirúrgico”, diz Alessandro.

Bruxismo e perda dos dentes
Se a mordida cruzada não é tratada na fase infantil, os problemas que um adulto poderá desenvolver são ainda mais sérios. “Caso perdure essa relação inversa, o paciente pode apresentar bruxismo, fratura ou até perda dos dentes, retração gengival e sobrecarga da articulação da boca podem causar sua deterioração” diz Alessandro.   Por isso que, assim que o problema for detectado, o tratamento deve ser iniciado com um profissional capacitado para resolver o problema, o ortodontista.

Via Terra

Gengiva saudável não sangra!

aqui-tem-odontologia--gengiva-saudavel
Se a sua gengiva sangra ao escovar ou ao passar o fio dental, cuidado ela já está inflamada. O nome disso é gengivite. É muito importante  dar  atenção a esse sinal. Muitos pacientes acreditam que estão se machucando com o fio  quando isso ocorre, e que esta é a causa do sangramento . Mas este é um equívoco.
Para diagnosticarmos a inflamação, é importante conhecermos as características de uma gengiva saudável: coloração rosa com ou sem pigmentos de natureza étnica  (manchas escuras na gengiva encontradas principalmente em pessoas de raça negra, asiática e seus descendentes), aspecto de “casca de laranja”, contorno uniforme nos dentes, sem nenhum tipo de inchaço e muito menos sangramento.
Muitos pacientes relatam que pararam de passar o fio dental, pois possuem a “gengiva sensível” e acabam se machucando. Na realidade, a gengiva só está sangrando porque o fio dental não é passado diariamente com a técnica correta. É um círculo vicioso: não passam o fio porque está sangrando, mas está sangrando porque não passam o fio .
Para que todos possam entender melhor o que é a gengivite, é importante conhecer também um pouco sobre o sulco gengival. Este  é um espaço anatômico entre o dente e a gengiva, de 2 a 3 mm de profundidade, situado em volta de cada dente. Dentro desse pequeno espaço a placa bacteriana (película formada por restos de alimentos e bactérias que residem em nossa boca) se instala e provoca uma inflamação local, devido a sua proliferação e liberação de ácidos.
 Então, para evitar a gengivite, é muito fácil. Basta escovar os dentes e passar o fio dental diariamente, sempre com a técnica que permite que  as pontas das cerdas da escova dental e o fio  entrem naquele sulco gengival.
Como passar o fio dental corretamente:
– Pegue aproximadamente 50 cm de fio ou fita dental;
– Coloque entre dois dentes e leve até o sulco gengival (isso mesmo, pode coloca r lá dentro entre o dente e a gengiva);
– Abrace um dente com o fio dental e deslize pela sua lateral ;
– Entre com o fio dental novamente entre os mesmos dentes e, leve-o  até o sulco gengival. Mas desta vez abrace o outro dente e deslize o fio pela sua lateral.
– Repita o mesmo procedimento em todos os dentes.
– Procure sempre a ajuda de seu dentista para mais detalhes e para realizar uma consulta preventiva a cada seis meses.
Lembre-se sempre que, se a gengiva sangrar ao passar o fio dental, já existe uma inflamação e o início de seu tratamento é feito em casa mesmo. Não abandone o hábito de passar  diariamente o fio dental!. Após cerca de  cinco  dias, esse sangramento deverá parar ou pelo menos diminuir, pois você estará removendo a placa bacteriana que é a causadora principal desse sangramento. O que temos que ter sempre em mente é que  “gengiva saudável não sangra”.
Como está a sua gengiva? Agora que você já tem conhecimento de como mantê-la saudável, é só começar!
Via Odontoprev

O que a internet rouba de nós | Se é que de fato rouba.

Reclamações de pais sobre o tempo que seus filhos dedicam ao computador, celulares e redes sociais são cada vez mais frequentes. Por parte dos filhos, queixas de indisponibilidade de pais para conversar também são muitas. O que realmente precisa ser feito é tentar compreender porque essas duas situações estão acontecendo e de que forma estão relacionadas.

aqui-tem-psicologi-o-que-a-internet-rouba-de-nos
A vida atribulada de hoje em dia nos deixa a todos confusos quanto às nossas prioridades,
ao mesmo tempo em que nem sempre é fácil lidar com as frustrações. Não à toa vemos comportamentos desproporcionalmente exaltados em pequenas supostas disputas, como no trânsito – um caso típico de quem está “descontando” nos outros alguma frustração que está vivenciando.

É preciso perceber que temos sonhos, planos, projetos, e que, ao mesmo tempo em que alguns deles não se concretizam, outras realizações e alegrias surgem sem que sequer tenhamos pensado nelas.
Outra questão é o excesso de ansiedade: algo sonhado, planejado ou projetado pode não ter acontecido ainda: sem carregar na ansiedade, é preciso analisar com calma o que está ao nosso alcance para ajudar que aconteça o que desejamos e acompanhar os desdobramentos.

Boa parte do distanciamento entre pessoas decorre muito mais desse conflito entre prioridades e frustrações, enquanto deveríamos aproveitar melhor o tempo para, com calma, planejar o que queremos e comemorar o que realizamos, tendo ou não sido planejado. Uma das consequências disso é um possível excesso de tempo dedicado pelos filhos a coisas a que os pais não têm acesso –
sendo que o computador, o celular, as redes sociais e o infinito mundo da internet são apenas algumas. Não é possível viver a vida de ninguém que não a própria, aí incluídas as vidas dos filhos. O que é possível é buscar o equilíbrio, sempre por meio da boa conversa, aberta, desarmada de preconceitos, como, por exemplo, o do “quem manda aqui sou eu”. Esse tipo de postura, por ser autoritária, afasta ao invés de aproximar. Se o adulto está nervoso por algum motivo fora da sua casa – alguma frustração, quanto mais se dispuser a falar a respeito com a família, maior será a vontade dos demais – filhos incluídos – falarem dos seus. Falar dos problemas em comum é tão essencial quanto. Do mesmo modo, dividir as alegrias, as coisas aparentemente sem importância do cotidiano e as realizações vai contribuir para a aproximação e o melhor conhecimento mútuo.
Portanto, na maioria dos casos, não é o computador nem a internet a causa do distanciamento
entre pessoas que vivem juntas, nem a cara amarrada de quem “não tem tempo para os filhos”. Dar chance ao convívio, ao compartilhamento e ao diálogo sobre coisas boas e ruins serve para reaproximar. Serve também para lembrar que risadas, abraços e beijos são bem melhores que os “kkk”, “abs” e “bjs” mandados pelo tablet, computador ou celular.

Por Rosamaria Areal
Psicóloga | vitaclass @vitaclass .com.br

Teste previne língua presa e garante boa amamentação

Até 16% da população tem a língua presa, problema que pode ser diagnosticado nos primeiros dias de vida e corrigido com cirurgia

 fono---teste-da-linguinha

O teste da linguinha é um procedimento feito nas maternidades para verificar se a criança tem língua presa muito antes de falar a primeira palavra. Esse problema bucal é uma alteração congênita com incidência de 10% a 16% na população.

Região perto da língua é a mais atingida pelo tártaro
Raspar língua é maneira eficaz de dar adeus ao mau hálito
Criança amamentada no seio tem menos risco de usar aparelho

O frênulo é a membrana que liga a língua ao assoalho da boca, popularmente conhecido como freio, e deve estar posicionado no meio da língua

Foto: CEFAC / Divulgação

Ainda na maternidade, são verificadas duas alterações que caracterizam a língua presa. Uma é quando o frênulo – membrana que liga a língua ao assoalho da boca –, popularmente conhecido como freio, não está no lugar certo (muito perto da ponta da língua) e a outra é quando ele é muito curto e grosso. “No primeiro caso, basta soltar um pouco da membrana com uma tesoura (frenotomia). No segundo, é necessária uma micro-cirurgia bem simples”, disse Irene Marchesan, presidente da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia.

A criança tem língua presa quando o frênulo não está no lugar certo (muito perto da ponta da língua) ou quando ele é muito curto e grosso

Foto: CEFAC / Divulgação

Para Cássio Alencar, professor de cirurgia em Odontopediatra da Faculdade de Odontologia da USP, a importância desse teste vai além da facilitação futura da fala. “Ele previne que a criança tenha dificuldades de sugar e engolir, o que atrapalha a amamentação. Bebês com língua presa acabam fazendo muita força para mamar e gastando muita energia, o que leva à dificuldade de ganhar peso e ao risco de machucar a mãe”, diz.

Por enquanto apenas o teste da linguinha é obrigatório nas maternidades. “De acordo com o texto original do projeto, caberia ao estabelecimento de saúde realizar a cirurgia de correção do problema assim que fosse feito o diagnóstico. O artigo, no entanto, foi retirado e permaneceu apenas o teste da linguinha. Sancionado pela Presidente em 20 de junho deste ano, as maternidades e hospitais têm 180 dias para se adaptar e realizar o teste”, disse Alencar.

Problemas e tratamento para a língua presa
As pessoas que não passaram pelo teste e pela cirurgia de correção do frênulo ainda bebês podem fazer o procedimento em qualquer fase da vida. “Uma forma de observar se seu filho tem língua presa é pedir para a criança colocar a ponta da língua no último dente do fundo e correr de um lado pro outro. Se ela apresentar dificuldades, é melhor procurar um dentista”, disse Cássio.

“Depois de corrigido o frênulo (feito por um dentista), entramos com exercícios para acertar o que mais incomoda. A fala é sempre a mais prejudicada (troca de fonemas), mas tem até pré-adolescentes que chegam aqui porque não conseguem beijar de língua”, diz a fonoaudióloga.

Segundo Irene, o resultado é 100% satisfatório para quase todos os casos, menos para a fala. “A fala é um hábito motor muito difícil de mudar. Quanto mais tempo demorar em corrigir, mais longe da fala perfeita ficamos”.

Outro problema causado pela língua presa é a sua posição de repouso que acaba sendo feita de forma errada. “Isso pode atrapalhar a respiração e, consequentemente, o crescimento e desenvolvimento da face”, afirma o dentista. Também devido à limitação de movimentos, a língua presa não exerce a função de autolimpeza chamada de autóclise, fazendo com que a criança tenha um acúmulo de placa em maior quantidade na parte de dentro dos dentes.

Via Saúde Terra

BRUXISMO INFANTIL

Bruxismo??? O que é isso??? Coisa de Bruxa???

entenda-o

Muita gente tem, mas nem imagina…

E hoje em dia, muitos pais estão percebendo que seus filhos começaram a “mastigar” e fazer barulhinhos com os dentes enquanto dormem…

Bruxismo é uma disfunção da mastigação caracterizada pelo constante apertar, cerrar e ranger dos dentes. Normalmente quem tem não sabe que tem!

bruxismo2Durante o sono, o ranger é tão forte que ouvem-se estalidos, barulhinhos como roc roc roc rhrhrhrhrh

Certamente, quem dorme ao lado ou perto de quem tem o bruxismo vai identificar rapidamente!

As causas para essa disfunção não são bem definidas, mas estão claramente relacionadas aos fatores psicológicos, contatos inadequados entre os dentes e fatores hereditários. Consideram-se fatores importantes, mas não exclusivos, a ansiedade, o estresse, distúrbios psicológicos, erupção atípica dos dentes de leite ou permanentes e perda precoce de dentes. Pode acontecer em crianças, adolescentes e adultos.

É muito freqüente nas idades entre 2 a 4 anos, 10 a 12, e 18 anos. São fases de descobertas, adaptações, modificações, aprendizados que envolvem a percepção da realidade, a auto-confiança, limites, escolhas. Os pais e responsáveis devem estar atentos ao aparecimento de outros distúrbios nessas etapas de mudanças das crianças, como a gagueira, a onicofagia (hábito de roer unhas), distúrbios do sono, etc…

E o que o bruxismo faz com os dentes? Faz mal apertar os dentes, afinal?

Faz mal, SIM!  Os dentes só deveriam tocar fortemente entre si quando engolimos.

O apertar e ranger os dentes pode causar principalmente:

• alterações na forma de engolir;

• alterações  na produção de saliva;

• alterações do pH do meio bucal favorecendo a cárie;

• alterações na posição dos dentes;

• desgastes excessivos dos dentes;

• trincas e fraturas dentais;

• contrações excessivas e fadiga dos músculos da face;

• alterações na forma que se morde;

• alterações nas articulações;

• deslocamento da mandíbula;

O bruxismo deve ser diagnosticado corretamente para uma abordagem precoce e, se necessário, um  tratamento interdisciplinar.

Com as crianças especificamente, o bruxismo tem se manifestado diante de situações diferentes do seu cotidiano. Os aspectos psicológicos como agressões, frustrações, problemas escolares, familiares e com amigos podem provocar um aumento considerável da tensão’ e levar a uma hiperatividade muscular, acarretando em distúrbios. Apesar de não ter  uma causa específica, ocorre em 30% das crianças. Ele  pode provocar desgaste e amolecimento dos dentes, afetando  a integridade dos tecidos dentais e causar problemas ósseos.  Pode provocar também dores na mandíbula e nos músculos da face,  dor de cabeça, dor e zumbido no ouvido e alterações da respiração e do sono.

bruxismo3

Precisamos lembrar que o bruxismo infantil tende a ser considerado um estado de transtorno hipercinético da criança e pode ser uma condição normal e passageira no seu crescimento e desenvolvimento, ou se tornar uma disfunção habitual necessitando de atenção especial. Assim, é uma doença que precisa ser controlada e amenizada o máximo possível. Com uma abordagem interdisciplinar, uma atenção redobrada à criança e, as vezes, alguns medicamentos ansiolíticos (drogas, sintéticas ou não, usadas para diminuir a ansiedade e a tensão) pode-se interferir positivamente sobre os efeitos na criança.

A terapia pode requerer desde a necessidade da maior interação criança – família, amor e atenção dos pais, até a necessidade da instalação de placas de mordidas (acetato ou acrílica, dependerá da idade, intensidade e tempo de disfunção) para promover o afastamento dos dentes evitando a sobrecarga, o desgaste dental, as dores articulares, manifestações de disfunções mais graves devido ao aumento da sua intensidade e principalmente restabelecer a função de cada estrutura envolvida. Por isso o protocolo, tipo e tempo de tratamento dependerão dos fatores que causaram e da sua  intensidade.

Cabe ao dentista a indicação do tratamento interdisciplinar com psicólogos, psiquiatras, fisioterapeutas e fonoaudiólogos.

Com tudo isso aí… apostamos que Bruxismo, de fato, é coisa de “BRUXA”!!!

Via Vida de Dentista

Como Manter a Saúde Bucal de Seus Filhos em Cada Estágio: Dicas e Orientações da Dra. Salzer

Dicas e Recursos da dentista Dra. Jennifer Salzer

Muito prazer. Sou a Dra. Jennifer Salzer, da Faculdade de Odontologia da Universidade de Nova York, e com consultório particular em Manhattan. As férias estão chegando e sabemos muito bem o que vem com elas – muito sorriso em toda parte, mas também muita bala, sorvete… enfim, muito doce. A cárie é a doença crônica infantil mais comum e por isso é muito importante ensinar às crianças desde cedo a manter uma boa saúde bucal, principalmente durante as férias e datas associadas ao consumo de doces, como é o caso do dia das Bruxas e da Páscoa. As crianças passam por diferentes fases durante a infância, cada qual com necessidades específicas no que se refere à saúde bucal, e os pais devem incentivar os bons hábitos desde que os filhos são pequenos. Vou dar a seguir orientações e dicas para conservar o bom estado de saúde bucal em todos os estágios do desenvolvimento da criança.

como-manter-a-saude-bucal

Dicas para higiene bucal – 1º Estágio (4 a 24 meses)

• Para evitar a formação de placa, que é uma massinha branca cheia de bactérias que se deposita nos dentes e provoca cárie, os pais devem começar a limpar regularmente a gengiva do bebê recém-nascido com um paninho úmido depois de todas as mamadas (no peito ou na mamadeira).
• Quando aparece o primeiro dentinho, os pais devem escová-lo durante dois minutos duas vezes ao dia com uma escova de dentes infantil de cerdas bem macias e cabeça emborrachada, e com uma quantidade mínima de pasta de dente sem flúor.
o A escova Oral-B 1º Estágio possui cerdas próprias para bebê e cabeça larga, para massagear a gengiva de forma bem suave.
• Os pais devem perguntar ao pediatra quando devem levar o filho ao dentista, mas a regra geral é: “Primeira consulta no primeiro aniversário.” Depois, a cada seis meses, para acompanhamento do desenvolvimento dos dentes.

Dicas para higiene bucal – 2º Estágio (2 a 4 anos)

  • A partir dos dois anos a criança deve usar pasta de dente com flúor para evitar as cáries durante o desenvolvimento dos dentes.
  • A pasta Oral-B Estágios protege contra as cáries de modo eficaz com sua fórmula em gel suave e com diversos sabores que agradam as crianças.
  • Supervisione a escovação da criança até ela aprender a escovar corretamente. O recomendado é gastar dois minutos escovando os dentes, prestando bastante atenção naqueles que são os principais responsáveis pela mastigação e nos dentes de trás, que é onde as cáries começam a se formar. Sei que a limpeza dos dentes aborrece as crianças, então deixo aqui algumas idéias para tornar a tarefa um pouco mais divertida:
    • Use escova do tipo da Oral-B 2º Estágio, que é própria para a criança pequena que está aprendendo a escovar e cujos dentinhos estão ainda em crescimento. Seu desenho permite alcançar efetivamente todos os dentes, com sua cabeça estreita e cerdas de padrão simples e um grupo de cerdas mais compridas na extremidade (“Power Tip”).
    • Escove seus dentes ao mesmo tempo, para dar o exemplo. Assim seu filho vai aprender observando e imitando o que você faz.
    • Cante ou coloque para tocar uma musiquinha que ele goste durante os dois minutos de duração da escovação, ou então recite versinhos para distraí-lo.
    • Quando a criança já tem dois anos, os pais precisam começar a pensar muito no impacto dos hábitos de alimentação/nutrição não só sobre a saúde bucal e como sobre sua saúde de modo geral. Para criar bons hábitos, é preciso restringir o consumo de bebidas doces, incentivar o abandono da mamadeira e do copinho com bico e oferecer sempre à criança comida saudável, tanto nas refeições principais quanto nas intermediárias.

Dicas para higiene bucal – 3º Estágio (5 a 7 anos)

• A partir dos 5 anos começam a nascer os dentes molares permanentes da criança e é importante o uso da escova e pasta de dente com flúor.
o A escova Oral-B 3º Estágio é própria para escovar esses molares permanentes e para as áreas mais sensíveis dos dentes de leite que caíram. Suas cerdas têm formato côncavo que envolve cada dente, com um grupo de cerdas mais compridas na extremidade (“Power Tip”) que alcança facilmente as laterais e a parte de trás dos dentes do fundo.
o A partir dos 5 anos começam a nascer os dentes molares permanentes da criança e é importante o uso da escova epasta de dente com flúor.
o A escova Oral-B 3º Estágio é própria para escovar esses molares permanentes e para as áreas mais sensíveis de dentes de leite que caíram. Suas cerdas têm formato côncavo que envolve cada dente, com um grupo de cerdas mais compridas na extremidade (“Power Tip”) que alcança facilmente as laterais e a parte de trás dos dentes do fundo.

Dicas para higiene bucal – 4º Estágio (acima de 8 anos)

• Crianças a partir dos oito anos de idade usam pasta de dente com flúor e escova projetada para uma mistura complexa de tamanhos de dentes – permanentes e de leite.
• A escova Oral-B 4º Estágio alia cerdas cruzadas, para limpeza, cerdas massageadoras para os espaços sem dente e extremidade com cerdas mais alongadas (Power Tip) para alcançar e limpar os dentes de trás.