Crianças: morder algo duro ajuda a dente de leite a cair

Existe muita expectativa e dúvida envolvendo a hora certa de tirar o dente de leite e como fazer isso. Alguns pais preferem deixar cair sozinho, mas às vezes o filho se mostra tão impaciente com a situação que, antes que acabe se machucando, é melhor intervir com métodos seguros.

aqui-tem-odontopediatria-crianças

“O primeiro passo é saber se o dente mole ainda está preso por um resto de osso e pela mucosa, ou só pela mucosa. Se ainda estiver ligado a um pouco de osso indico que com os dedos o pai movimente esse dente para frente, para trás e para os lados várias vezes ao dia por vários dias, até sentir que ele está realmente mais mole. É importante dizer que esses movimentos não podem causar dor para a criança”, diz a odontopediatra Mariana Borges.

Uma vez bem molinho, preso apenas por uma “pelinha”, a extração pode ser feita também com as mãos, ou amarrando um fio dental bem firme ao redor do dente. Se optar pela segunda alternativa, procure não deixar a região muito molhada para o fio não escorregar. Feito isso basta puxar com força e rápido para o procedimento ser o menos doloroso possível.

“Tente distrair a criança com brincadeiras ou piadas nessa hora. É importante que ela esteja o mais relaxada possível para que não se crie nenhum tipo de trauma. E quando puxar, puxe rápido, como quem tira um band-aid”, diz Mariana, que ainda indica que os pais tenham em mãos um pedaço de algodão ou gaze caso haja sangramento. “É legal nessa hora estancar o sangue por uns cinco minutos”.

Métodos ousados
Táticas mais ousadas como prender uma corda na maçaneta da porta e batê-la com força ou morder algo muito duro não são recomendadas pelos especialistas. “A retirada do dente de leite precisa ser algo feito com tranqüilidade e na medida do possível sem dor. Esses métodos diferentes podem ser agressivos demais e causar trauma na criança”, diz a especialista.

Os pais que se sentem inseguros para fazer a extração podem sempre procurar um odontopediatra.

Via Saúde Terra

Anúncios

Fada e presentes: como tornar a troca de dentes estimulante

Heide Klum declarou gastar uma ‘pequena fortuna’ para pagar pelos dentes de leite dos filhos, mas o importante é tornar esse momento divertido e sem traumas

Modelo Heidi Klum resolveu bancar uma Fada do Dente bastante generosa com seus quatro filhos e acabou gastando mais do que esperava. Segundo uma entrevista para a revista americana People, quando o primeiro dente de seu filho caiu, a top deu 20 dólares (cerca de 46 reais). Agora, com quatro crianças, Klum brincou que está desembolsando uma pequena fortuna.

Essa é a forma mais comum que os pais encontram para mostrar que a troca do dente de leite para o permanente é sinal de que eles estão ficando “mocinhos” e que isso deve ser comemorado. “O estímulo familiar é muito importante para que a criança encare esse processo de troca dental de forma natural e até com certa expectativa”, diz Fernanda Miori Pascom, professora e doutora em Odontopediatria da UNICAMP.

Fada do Dente
A lenda da Fada do Dente existe desde o início do século vinte, mas a sua origem exata é um mistério. Há quem diga que essa era uma tática que os vikings usavam há mais de mil anos. Mas o fato é que a história ganhou tanta força que hoje é usada em diversos países do mundo, como Portugal, Canadá, Inglaterra e Estados Unidos. “É importante mostrar para a criança que a mudança toda é positiva. Um dente se foi, mas outro mais forte e mais bonito nascerá no lugar e não cairá mais. Por isso, deve ser muito bem tratado e limpo”.

Esse ritual ajuda a criança a não desenvolver nenhum tipo de trauma durante essa fase. “O acompanhamento de um dentista desde cedo para prepará-los e tranqüilizá-los e o incentivo dos pais são fundamentais. Assim, quando o momento chega, a criança está esperando por isso, para ver o sinal do seu próprio crescimento sem crise”.

Deixar cair é a melhor opção

Outra forma de evitar traumas infantis é fazer o possível para que o dente caia sozinho. “Se não está atrapalhando a criança a comer e nem está doendo, é melhor deixar cair sozinho. Não adianta querer forçar ou antecipar a queda. Se ela for feita de maneira errada, vai doer”, diz Fernanda, que é totalmente contra técnicas de arrancar o dente amarrando um barbante na porta, por exemplo. “Esse tipo de prática é agressivo e pode realmente machucar a criança. Deixar a natureza agir é a melhor opção”.

Guarde o dente
Em vez de incentivar a criança a jogar o dente no telhado para fazer um pedido, é melhor optar pela versão do travesseiro para guardar o dente depois. Isso porque alunos de odontologia podem usá-los para estudar, além de servirem como material de pesquisa de células-tronco.

O ideal é guarda-lo no soro fisiológico ou na água destilada. As doações podem ser feitas pelo correio, de qualquer lugar do país. Basta encaminhar as peças para a Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo – Avenida Professor Lineu Prestes, 2.227, Cidade Universitária, SP, CEP 05508-900. Lembre-se que os dentes devem ser lavados com água e sabão e colocados em sacos plásticos ou em um pote.

Via Saúde Terra

Dente de Leite – MORDEDORES

Os pais ficam bem ansiosos para o nascimento dos primeiros dentinhos dos pequenos e em muitas das vezes procuram o dentista para receber orientações sobre como proceder. Durante esta fase, alguns bebês ficam bastante irritadiços, choram, dormem e comem mal. As gengivas ficam vermelhas, doloridas… Eles babam muito, e a vontade de morder 24h por dia é incontrolável. A dica para a amenizar os efeitos do nascimento de dentinhos é lançar mão dos mordedores!

Eles possuem o formato ideal para massagear as gengivas sem machucar e foram pensados para aliviar a coceira e incomodo provocados nessa fase. Existem milhares deles, para diferentes idades, de todos os tamanhos e tipos…

Aqui indicaremos os que mais amamos de acordo com cada fase de desenvolvimento!

LEMBRE-SE: O MELHOR mordedor é o que o seu bebê vai simpatizar melhor!

Ofereça apenas os atóxicos, livres de BPA (Bisfenol A – causa danos a saúde), que podem ser esterilizados, e de preferencia sem o líquido no interior porque podem furar e o bebê engolir o líquido! Para o bebê amar o mordedor é importante que você ofereça-o na fase certa, assim ele sentirá prazer verdadeiramente ao aliviar o seu incomodo!

PARA A FASE EM QUE AINDA NÃO POSSUEM COORDENAÇÃO PARA SEGURAR:

Estes tem forma de “chupeta”, massageiam suavemente a gengiva e são para deixar as mãos do bebê livre, permitindo brincar enquanto aliviam a tensão causada pela coceira, e são de materiais esterilizáveis.

Existem os em forma de “chupeta” que alcançam toda a arcada dentária, atenuando os sintomas do nascimento dos dentes posteriores!

Dica da gente: Deixe o mordedor na geladeira por um tempo e ofereça-o bem geladinho para seu bebê!

O gelo anestesia a gengiva, dando a sensação de alívio. Recomendamos para a fase que não se consegue segurar e também para os maiores, pois permitem brincar com as mãos!

imageimage (1)image (2)

Como veem existem muitos tipos, e são acessíveis! Dá para experimentar alguns caso o seu bebê não se adapte!

PARA A FASE QUE GOSTAM DE PEGAR, APERTAR, PUXAR, MORDER… TUDO AO MESMO TEMPO:

Essa fase acontece por volta dos 7 meses e se estende ate 1 ano e 11 meses, mais ou menos. As crianças começam a perceber que podem segurar, estão descobrindo a textura das coisas e paralelamente se encontram na fase oral.

Precisamos estimulá-los com objetos leves, macios, coloridos, suaves ao tato. Precisam ser laváveis, pois certamente irão colocar na boca!

Os chocalhos se encaixam bem ate o 9º mês, ofereça-os gelados também!

image (3)image (4)

Os mordedores em forma de bichinhos são bem aceitos a partir do 10º mês!

Certifique-se de que estão numa temperatura mais fria ou até gelada no momento em que estiver mais ansioso e incomodado!

Esse mordedor/brinquedo provavelmente será sua companhia rotineira!

image (5)image (6)image (7)

A partir do primeiro ano, o bebê já esta criando uma certa independência e precisam ser estimulados com essa intenção. Como possuem uma coordenação mais especifica, pode-se munir de brinquedos com funções educativas e que não ofereçam perigo ao ser colocados na boca.

Nessa fase também indicamos os ALIMENTADORES COMO MORDEDORES.

A SUPER DICA com os alimentadores é fazer um super picolé de suco de frutas na redinha do alimentador, colocando no freezer. Após endurecer ofereça-o ao bebê!

Ele vai amar!

image (8)image

Caso o seu filhote não se adapte aos mordedores, não se desespere, converse com o Odontopediatra para lhe passar dicas de como aliviar o incomodo dessa fase! Ele vai orientar para que a sua rotina seja tranquila e saudável sem estresses.

Via Vida de Dentista

Por que devemos cuidar dos dentes de leite?

Por que devemos cuidar dos dentes de leite?

Por Carla Miranda

O sorriso de uma criança é uma linda expressão de sinceridade e pureza. E para poder proporcioná-lo, é fundamental que se saiba da importância dos dentes de leite no desenvolvimento infantil. Entretanto, sendo dentes temporários, esta importância pode ser negligenciada, o que pode causar grandes prejuízos à saúde.

Entre as principais funções dos dentes de leite, que são chamados assim em virtude da sua cor branca semelhante ao leite, a mastigação dos alimentos apresenta-se em destaque, tendo em vista que é uma etapa importante e inicial da digestão. A dentição temporária também contribui para o crescimento e desenvolvimento adequado dos ossos e músculos da face, auxiliando o amadurecimento de funções nos movimentos de lábios, língua e mandíbula, e, além disso, favorece a pronúncia adequada das palavras, já que a pronúncia correta de alguns fonemas depende da interação entre os dentes e a língua.

Vale ressaltar também que a dentição de leite pode contribuir para a melhor aparência da criança, proporcionando um belo sorriso, o que poderá influenciar na sua autoestima. E por fim, esses dentes guardam o espaço para a próxima dentição (permanente) que irá substituí-los no futuro, além disso, auxilia no direcionamento da nova dentição, para que os permanentes nasçam na posição adequada.

Em virtude destes motivos, é imprescindível que os cuidados com a dentição temporária sejam iniciados o mais precocemente, ou seja, a partir do aparecimento do primeiro dente, o que ocorre em torno dos 6 meses de idade. Os pais não devem ter medo de tocar na boca de seu bebê, é importante que desde cedo a criança se habitue com a limpeza dos dentes.

A dentição de leite se completa geralmente aos 3 anos de idade, onde a criança apresentará 20 dentes (10 em cada arcada: parte superior e inferior). Vale ressaltar, que como o surgimento dos dentes é um processo biológico, a época de aparecimento, como também a sua posterior troca, está sujeita a variações individuais para cada criança.

Para cada dente de leite, há normalmente um dente permanente localizado próximo as suas raízes. Eles substituirão gradativamente os dentes temporários, iniciando-se por volta dos 6 anos de idade. Os dentes possuem uma ou mais raízes, que no processo de sucessão, vão sendo reabsorvidas até que somente a coroa fique presa na gengiva. Muitos pais, então, conseguem remover esses dentes sem auxílio profissional, mas o acompanhamento é sempre importante.

Os cuidados com a dentição de leite são necessários e devem focar no cuidado com a higiene, através de uma boa escovação e uso do fio dental com frequência, evitando cáries precoces. Além disso, o consumo de doces deve ser controlado e equilibrado, não necessariamente retirado, prioriza-se sim, cuidados e moderação, já que a alimentação tem papel central e determinante no desenvolvimento da cárie dental. A cárie dental se desenvolve mais rápido nos dentes de leite do que nos permanentes, em virtude da sua composição. E o início do processo ocorre com o aparecimento de uma mancha esbranquiçada, depois ocorre uma cavidade, e se a lesão atingir o centro do dente (polpa) poderá haver dor e a necessidade de tratamento de canal. Assim, havendo dúvida com relação a alguma alteração nos dentes da criança, um Odontopediatra deve ser consultado, pois muitas vezes se detectado precocemente, é possível prevenir e estagnar o processo de cárie.

Atitudes que auxiliem na prevenção do trauma dental também são de extrema importância, pois acidentes envolvendo batidas na região da boca são muito comuns. Nestes casos faz-se necessário uma supervisão constante do adulto, uso de calçados antiderrapantes, modificações do ambiente onde a criança permanece, entre outras medidas. Todas estas atitudes, visando à prevenção da doença cárie e o trauma dental, objetivam a permanência dos dentes de leite na boca até a chegada do seu sucessor, já que a perda antes do tempo previsto pode provocar problemas para a dentição permanente.